Seguidores

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Ivan Junqueira - Poemas

Ivan Junqueira - Poemas

"Falls of love", Óleo sobre tela. Fattah Hallah Abdel
E se eu disser

E se eu disser que te amo - assim, de cara,
sem mais delonga ou tímidos rodeios,
sem nem saber se a confissão te enfara
ou se te apraz o emprego de tais meios?

E se eu disser que sonho com teus seios,
teu ventre, tuas coxas, tua clara
maneira de sorrir, os lábios cheios
da luz que escorre de uma estrela rara?

E se eu disser que à noite não consigo
sequer adormecer porque me agarro
à imagem que de ti em vão persigo?

Pois eis que o digo, amor. E logo esbarro
em tua ausência - essa lâmina exata
que me penetra e fere e sangra e mata.

(Ivan Junqueira)

Cinco movimentos - I

Que amor é esse que, desperto, dorme
e quando acorda faz-se ambíguo sonho,
transfigurando o belo no medonho
e em noite espessa a vida multiforme?

Então amor é só o que suponho,
o que não digo por ser tão informe
que fôrma alguma lhe é jamais conforme
como este molde em que teimoso o ponho?

Será amor o que se esquiva à fala
ou à linguagem que o pretende claro?
E o que seria esse tremor mais raro
que ao aflorar parece que se cala?

Amor oblíquo que olha de soslaio,
mas que ilumina e queima como raio...

(Ivan Junqueira, in “De Cinco Movimentos”)


Esse punhado de ossos

Esse punhado de ossos que, na areia,
alveja e estala à luz do sol a pino
moveu-se outrora, esguio e bailarino,
como se move o sangue numa veia.

Moveu-se em vão, talvez, porque o destino
lhe foi hostil e, astuto, em sua teia
bebeu-lhe o vinho e devorou-lhe à ceia
o que havia de raro e de mais fino.

Foram damas tais ossos, foram reis,
e príncipes e bispos e donzelas,
mas de todos a morte apenas fez
a tábua rasa do asco e das mazelas.

E ali, na areia anônima, eles moram.
Ninguém os escuta. Os ossos não choram.

(Ivan Junqueira)



O Poema

Que será o poema,
essa estranha trama
de penumbra e flama
que a boca blasfema?

Que será, se há lama
no que escreve a pena
ou lhe aflora à cena
o excesso de um drama?

Que será o poema:
uma voz que clama?
Uma luz que emana?
Ou a dor que algema?

(Ivan Junqueira, in “A Sagração dos Ossos”)


Quase uma sonata

É música o rigor com que te moves
à fluida superfície do mistério,
os pés quase suspensos, a aérea
partitura do corpo, seus acordes.

Espaço e tempo são teu solo. E colhem,
não tanto a luz que entornas, mas o pólen
com que ela cinge e arroja as coisas mortas
além da espessa morte que as enrola.

E música o silêncio que te cobre
quando lampeja à noite tua nudez,
em franjas derramada sobre o leito

das águas, onde as algas te incendeiam
porque semelhas, mais que o mar profundo,
o intemporal princípio e fim de tudo.

(Ivan Junqueira, in “De Opus Descontínuo”)


Vai tudo em mim
Remedios Varo.
  
Vai tudo em mim, enfim, se despedindo
neste pomar sem ramos ou maçãs,
sem sol, sem hera ou relva, sem manhãs
que me recordem o que foi e é findo.

Tudo se faz sombrio, e as sombras vãs
do que eu não fui agora vão cobrindo
os ermos epitáfios, indo e vindo
entre as hermas e as lápides mais chãs.

Tudo se esvai num remoinho infindo
de atávicas moléculas malsãs:
essas do avô, do pai e das irmãs
que o sangue foi à alma transmitindo.


Tudo o que eu fui em mim de mim fugindo
em meu encalço vem me perseguindo.

(Ivan Junqueira, in “O outro lado”)

www.veredasdalingua.blogspot.com.br

Leia também:

"Você tem que me ler" - Fabrício Carpinejar
Cora Coralina
"A profecia" - Werner Zotz
"O pavão" - Rubem Braga

2 comentários:

  1. Um dos meus poetas favoritos! Tenhos muitos poemas dele em meu blog também!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pela visita, minha cara Maíra. Gostei do seu blog. Em tempo, darei uma olhada com mais calma. Grande abraço!

    ResponderExcluir