Seguidores

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

GABARITO – 25 Respostas iniciadas pela letra “L”

GABARITO – 25 Respostas iniciadas pela letra “L”

1. La Paz
2. Lagarto
3. Los Angeles
4. Lula Molusco
5. Luiz Gonzaga
6. Liberdade
7. Leopardo
8. Las Vegas
9. Lula
10. La Bombonera
11. Lampião
12. Légua
13. Lima
14. Lhama
15. Light
16. Lizard
17. Lisboa
18. Luneta
19. Louva-a-Deus
20. Lady Gaga
21. Leonardo da Vinci
22. Leão
23. Lua
24. Líbano
25. Lord Byron


www.veredasdalingua.blogspot.com.br
PREPARE-SE PARA OS PRINCIPAIS VESTIBULARES DO PAÍS. ADQUIRA AGORA MESMO O PROGRAMA 500 TEMAS DE REDAÇÃO!




Leia também:

25 Respostas iniciadas pela letra "K"

www.veredasdalingua.blogspot.com.br
PREPARE-SE PARA OS PRINCIPAIS VESTIBULARES DO PAÍS. ADQUIRA AGORA MESMO O PROGRAMA 500 TEMAS DE REDAÇÃO!




Leia também:

25 Respostas iniciadas pela letra "K"

www.veredasdalingua.blogspot.com.br
PREPARE-SE PARA OS PRINCIPAIS VESTIBULARES DO PAÍS. ADQUIRA AGORA MESMO O PROGRAMA 500 TEMAS DE REDAÇÃO!




Leia também:

25 Respostas iniciadas pela letra "K"

GABARITO - 25 Respostas iniciadas pela letra "K"

GABARITO - 25 Respostas iniciadas pela letra "K"

1. Knife
2. Kiwi
3. Kuarup
4. Kwait
5. Kung Fu
6. Kart
7. Ketchup
8. Kung Fu Panda
9. Karaokê
10. Kitty
11. Kubitchesck
12. Ku-Klux-Kan
13. Kit
14. Kaká
15. King Kong
16. Karatê Kid
17. Kardec
18. Know-how
19. Kafka
20. Kant
21. Kelvin
22. Kosher
23. Kepler
24. Kierkgaard
25. Knight

25 Respostas iniciadas pela letra "M"

Exercícios de conhecimentos gerais 
25 Respostas iniciadas pela letra "M"

1. Estado brasileiro cuja capital é São Luís.

2. Personagem mais famoso criado por Walt Disney.

3. Maior escritor brasileiro de todos os tempos.

4. País que sediou a Copa do Mundo de futebol de 1970.

5. Cantor conhecido como o “Rei do Pop”.

6. Famoso cartão-postal do Japão.

7. Vocalista e líder do grupo Rolling Stones.

8. General romano que se matou juntamente com Cleópatra.

9. “Mês” em inglês.

10. Personagem mais famosa criada por Maurício de Souza.

11. Personagem conhecido como o “menino-lobo”.

12. Primeiro planeta do Sistema Solar.

13. Nome do estádio do clube de futebol São Paulo Futebol Clube.

14. Planeta conhecido como o “Planeta Vermelho”.

15. Mais famosa baleia da literatura mundial.

16. Maior jogador de basquete de todos os tempos.

17. Maios campeão de Fórmula 1 da história.

18. Capital da Espanha.

19. Classe de mamíferos que possui uma bolsa abdominal.

20. Líder do movimento de direitos civis nos Estados Unidos. Proclamou o famoso discurso “I have a dream”.

21. Feminino de padrasto.

22. Sambista da Vila Isabel, no Rio de Janeiro. Autor dos sucessos “O pequeno burguês” e “mulheres”.

23. Estádio conhecido como “O Templo do Futebol”.

24. Ciência do raciocínio lógico e abstrato, que estuda quantidades, medidas, espaços, estruturas, estatísticas, etc.

25. Ator que representou “Dom Corleone” na trilogia do cinema “O Poderoso Chefão”.


Leia também:

UNESP 2016 – 1º Fase – Prova de Língua Portuguesa

UNESP 2016 – 1º Fase – Prova de Língua Portuguesa


As questões de 01 a 04 tomam por base uma crônica de Luís Fernando Veríssimo.

A invasão

A divisão ciência/humanismo se reflete na maneira como as pessoas, hoje, encaram o computador. Resiste-se ao computador, e a toda a cultura cibernética, como uma forma de ser fiel ao livro e à palavra impressa. Mas o computador não eliminará o papel. Ao contrário do que se pensava há alguns anos, o computador não salvará as florestas. Aumentou o uso do papel em todo o mundo, e não apenas porque a cada novidade eletrônica lançada no mercado corresponde um manual de instrução, sem falar numa embalagem de papelão e num embrulho para presente. O computador estimula as pessoas a escreverem e imprimirem o que escrevem. Como hoje qualquer um pode ser seu próprio editor, paginador e ilustrador sem largar o mouse, a tentação de passar sua obra para o papel é quase irresistível.
Desconfio que o que salvará o livro será o supérfluo, o que não tem nada a ver com conteúdo ou conveniência. Até que lancem computadores com cheiro sintetizado, nada substituirá o cheiro de papel e tinta nas suas duas categorias inimitáveis, livro novo e livro velho. E nenhuma coleção de gravações ornamentará uma sala com o calor e a dignidade de uma estante de livros. A tudo que falta ao admirável mundo da informática, da cibernética, do virtual e do instantâneo acrescente-se isso: falta lombada.
No fim, o livro deverá sua sobrevida à decoração de interiores.

(O Estado de S.Paulo, 31.05.2015.)

Questão 01 - De acordo com o cronista, a ideia que se tinha há alguns anos, de redução de consumo de papel em razão do emprego generalizado de computadores, revelou-se

(A) plausível. (B) improcedente. (C) comprovável. (D) imponderável. (E) procedente.

Questão 02 - Os termos “o uso do papel” e “um manual de instrução” (1o parágrafo) se identificam sintaticamente por exercerem nas respectivas orações a função de

(A) objeto direto.
(B) predicativo do sujeito.
(C) objeto indireto.
(D) complemento nominal.
(E) sujeito.

Questão 03 - Em “falta lombada” (2o parágrafo), o cronista se utiliza, estilisticamente, de uma figura de linguagem que

(A) representa uma imagem exagerada do que se quer exprimir.
(B) se baseia numa analogia ou semelhança.
(C) emprega a palavra que indica a parte pelo todo.
(D) emprega a palavra que indica o todo pela parte.
(E) se baseia na simultaneidade de impressões sensoriais.

Questão 04 - Com a frase "No fim, o livro deverá sua sobrevida à decoração de interiores" (2o parágrafo), o cronista sugere que

(A) o interesse pela leitura, a longo prazo, tenderá a desaparecer.
(B) o livro se transformará numa antiguidade para colecionar.
(C) os objetos de decoração serão, aos poucos, substituídos por livros.
(D) a decoração de interiores garantirá a sobrevivência do livro.
(E) a decoração de interiores continuará existindo em função dos livros.

As questões de 05 a 08 focalizam um trecho do Código de Defesa do Consumidor (Lei no 8.078 de 11 de setembro de 1990).
Art. 6o São direitos básicos do consumidor:
I – a proteção da vida, saúde e segurança contra os riscos provocados por práticas no fornecimento de produtos e serviços considerados perigosos ou nocivos;
II – a educação e divulgação sobre o consumo adequado dos produtos e serviços, asseguradas a liberdade de escolha e a igualdade nas contratações;
III – a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade, tributos
incidentes e preço, bem como sobre os riscos que apresentem;
IV – a proteção contra a publicidade enganosa e abusiva, métodos comerciais coercitivos ou desleais, bem como contra práticas e cláusulas abusivas ou impostas
no fornecimento de produtos e serviços;
V – a modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações desproporcionais ou sua revisão em razão de fatos supervenientes que as tornem excessivamente onerosas;
VI – a efetiva prevenção e reparação de danos patrimoniais e morais, individuais, coletivos e difusos;
VII – o acesso aos órgãos judiciários e administrativos com vistas à prevenção ou reparação de danos patrimoniais e morais, individuais, coletivos ou difusos, assegurada a proteção Jurídica, administrativa e técnica aos necessitados;
VIII – a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do ônus da prova, a seu favor, no processo civil, quando, a critério do juiz, for verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente, segundo as regras ordinárias de experiências;
IX – a adequada e eficaz prestação dos serviços públicos em geral.
Art. 7o Os direitos previstos neste código não excluem outros decorrentes de tratados ou convenções internacionais de que o Brasil seja signatário, da legislação interna ordinária, de regulamentos expedidos pelas autoridades administrativas competentes, bem como dos que derivem dos princípios gerais do direito, analogia, costumes e equidade.
Parágrafo único. Tendo mais de um autor a ofensa, todos responderão solidariamente pela reparação dos danos previstos nas normas de consumo.


Questão 05 - A leitura do trecho do Código permite concluir que os direitos básicos do consumidor no Brasil se aplicam

(A) a produtos ou serviços de qualquer tipo e origem.
(B) apenas a produtos perecíveis, nacionais ou importados.
(C) apenas a aparelhos e utensílios produzidos no país.
(D) somente a produtos importados de países desenvolvidos.
(E) exclusivamente a serviços prestados por empresas nacionais.

Questão 06 - De acordo com o inciso V,

(A) assegura-se ao consumidor a revisão de dispositivos contratuais que venham a tornar as prestações muito elevadas.
(B) toda e qualquer cláusula contratual poderá ser revista a qualquer momento pelo consumidor.
(C) assegura-se ao fornecedor o direito de cancelar a venda de produtos e serviços, em razão do aumento de seus custos.
(D) garante-se ao fornecedor dos produtos e serviços caso julgue necessário, o direito de rever os valores das prestações.
(E) toda e qualquer cláusula contratual apenas poderá ser revista com o consentimento do fornecedor dos produtos e serviços.

Questão 07 - O artigo 7o esclarece que os direitos previstos no Código

(A) não permitem que fornecedores internacionais de produtos e serviços sejam penalizados.
(B) não implicam a perda de outros estipulados em tratados internacionais ou na legislação interna do país.
(C) perdem o efeito diante de leis ou tratados internacionais sobre consumo.
(D) podem ser anulados a qualquer tempo por decisão unilateral do governo federal.
(E) são válidos mesmo que infrinjam os princípios gerais que norteiam o direito.

Questão 08 - Nos trechos “asseguradas a liberdade de escolha e a igualdade das contratações” (inciso II) e “assegurada a proteção jurídica, administrativa e técnica aos necessitados” (inciso VII), a análise das concordâncias dos adjetivos em destaque permite afirmar que

(A) apenas a primeira ocorrência está correta.
(B) apenas a segunda ocorrência está correta.
(C) as duas ocorrências são aceitáveis, mas não corretas.
(D) as duas ocorrências estão incorretas.
(E) as duas ocorrências estão corretas.

Questão 09 - Ultrapassando o nível modesto dos predecessores e demonstrando capacidade narrativa bem mais definida, a obra romanesca deste autor é bastante ambiciosa. A partir de certa altura, este autor pretendeu abranger com ela, sistematicamente, os diversos aspectos do país no tempo e no espaço, por meio de narrativas sobre os costumes urbanos, sobre as regiões, sobre o índio. Para pôr em prática esse projeto, quis forjar um estilo novo, adequado aos temas e baseado numa linguagem que, sem perder a correção gramatical, se aproximasse da maneira brasileira de falar. Ao fazer isso, estava tocando o nó do problema (caro aos românticos) da independência estética em relação a Portugal. Com efeito, caberia aos escritores não apenas focalizar a realidade brasileira, privilegiando as diferenças patentes na natureza e na população, mas elaborar a expressão que correspondesse à diferenciação linguística que nos ia distinguindo cada vez mais dos portugueses, numa grande aventura dentro da mesma língua.

(Antonio Candido. O romantismo no Brasil, 2002. Adaptado.)

O comentário do crítico Antonio Candido refere-se ao escritor

(A) Raul Pompeia.
(B) Manuel Antônio de Almeida.
(C) José de Alencar.
(D) Machado de Assis.
(E) Aluísio Azevedo.

Para responder às questões de 10 a 13, leia o seguinte verbete do Dicionário de comunicação de Carlos Alberto Rabaça e Gustavo Barbosa:

Crônica - Texto jornalístico desenvolvido de forma livre e pessoal, a partir de fatos e acontecimentos da atualidade, com teor literário, político, esportivo, artístico, de amenidades etc. Segundo Muniz Sodré e Maria Helena Ferrari, a crônica é um meio-termo entre o jornalismo e a literatura: “do primeiro, aproveita o interesse pela atualidade informativa, da segunda imita o projeto de ultrapassar os simples fatos”. O ponto comum entre a crônica e a notícia ou a reportagem é que o cronista, assim como o repórter, não prescinde do acontecimento. Mas, ao contrário deste, ele “paira” sobre os fatos, “fazendo com que se destaque no texto o enfoque pessoal (onde entram juízos implícitos e explícitos) do autor”. Por outro lado o editorial difere da crônica, pelo fato de que, nesta, o juízo de valor se confunde com os próprios fatos expostos, sem o dogmatismo do editorial, no qual a opinião do autor (representando a opinião da empresa jornalística) constitui o eixo do texto.

(Dicionário de comunicação, 1978.)

Questão 10 - Segundo o verbete, uma característica comum à crônica e à reportagem é

(A) a relação direta com o acontecimento.
(B) a interpretação do acontecimento.
(C) a necessidade de noticiar de acordo com a filosofia do jornal.
(D) o desejo de informar realisticamente sobre o ocorrido.
(E) o objetivo de questionar as causas sociais dos fatos.

Questão 11 - De acordo com o verbete, o editorial representa sempre

(A) o julgamento dos leitores.
(B) a opinião do repórter.
(C) a crítica a um fato político.
(D) a resposta a outros veículos de comunicação.
(E) o ponto de vista da empresa jornalística.

Questão 12 - O termo “dogmatismo”, no contexto do verbete, significa:

(A) desprezo aos acontecimentos da atualidade.
(B) obediência à constituição e às leis do país.
(C) ausência de ideologia nas manifestações de opinião.
(D) opiniões assumidas como verdadeiras e imutáveis.
(E) conjunto de verdades religiosas.

Questão 13 - De acordo com o verbete, o tema de uma crônica se baseia em

(A) juízos de valor.
(B) anedotário popular.
(C) fatos pessoais.
(D) eventos do cotidiano.
(E) eventos científicos.

As questões de 14 a 18 abordam um poema do português Eugênio de Castro (1869-1944).

MÃOS

Mãos de veludo, mãos de mártir e de santa,
o vosso gesto é como um balouçar de palma;
o vosso gesto chora, o vosso gesto geme, o vosso
[gesto canta!
Mãos de veludo, mãos de mártir e de santa,
rolas à volta da negra torre da minh’alma.
Pálidas mãos, que sois como dois lírios doentes,
Caridosas Irmãs do hospício da minh’alma,
O vosso gesto é como um balouçar de palma,
Pálidas mãos, que sois como dois lírios doentes...
Mãos afiladas, mãos de insigne formosura,
Mãos de pérola, mãos cor de velho marfim,
Sois dois lenços, ao longe, acenando por mim,
Duas velas à flor duma baía escura.
Mimo de carne, mãos magrinhas e graciosas,
Dos meus sonhos de amor, quentes e brandos ninhos,
Divinas mãos que me heis coroado de espinhos,
Mas que depois me haveis coroado de rosas!
Afilhadas do luar, mãos de rainha,
Mãos que sois um perpétuo amanhecer,
Alegrai, como dois netinhos, o viver
Da minha alma, velha avó entrevadinha.

(Obras poéticas, 1968.)

Questão 14 - A musicalidade, as reiterações, as aliterações e a profusão de imagens e metáforas são algumas características formais do poema, que apontam para sua filiação ao movimento

(A) romântico. (B) modernista. (C) parnasiano. (D) simbolista. (E) neoclássico.

Questão 15 - Verifica-se certa liberdade métrica na construção do poema. Na primeira estrofe, tal liberdade comprova-se pela

(A) construção do hendecassílabo fora dos rígidos modelos clássicos.
(B) variedade do verso decassílabo e do verso alexandrino.
(C) presença de um verso com número menor de sílabas que os alexandrinos.
(D) desobediência aos padrões de pontuação tradicionais do decassílabo.
(E) presença de dois versos com número maior de sílabas que os alexandrinos.

Questão 16 - Indique o verso cuja imagem significa “trazer sofrimentos, padecimentos”.

(A) “O vosso gesto é como um balouçar de palma,”
(B) “Divinas mãos que me heis coroado de espinhos,”
(C) “Duas velas à flor duma baía escura.”
(D) “Mãos de pérola, mãos cor de velho marfim,”
(E) “Sois dois lenços, ao longe, acenando por mim,”

Questão 17 - “Alegrai, como dois netinhos, o viver / Da minha alma, velha avó entrevadinha.” Considerados em seu contexto, tais versos

(A) reforçam o modo negativo como o eu lírico enxerga a si mesmo.
(B) evidenciam o ressentimento do eu lírico contra os familiares.
(C) assinalam uma reaproximação do eu lírico com a própria família.
(D) atestam o esforço do eu lírico de se afastar da imagem obsessiva das mãos.
(E) reafirmam o otimismo manifestado pelo eu lírico ao longo do poema.

Questão 18 -Na última estrofe do poema, os termos “Afilhadas do luar”, “mãos de rainha” e “Mãos que sois um perpétuo amanhecer” funcionam, no período de que fazem parte, como

(A) orações intercaladas.
(B) apostos.
(C) adjuntos adverbiais.
(D) vocativos.
(E) complementos nominais.

Leia um trecho do “Manifesto do Surrealismo”, publicado por André Breton em 1924.

Surrealismo: Automatismo psíquico por meio do qual alguém se propõe a exprimir o funcionamento real do pensamento. Ditado do pensamento, na ausência de controle exercido pela razão, fora de qualquer preocupação estética ou moral.
O Surrealismo assenta-se na crença da realidade superior de certas formas de associação, negligenciadas até aqui, na onipotência do sonho, no jogo desinteressado do
pensamento.

(Apud Gilberto Mendonça Teles. Vanguarda europeia e Modernismo brasileiro, 1992. Adaptado.)

Questão 19 - Tendo em vista as considerações de André Breton, assinale a alternativa cujos versos revelam influência do Surrealismo.

(A) O mar soprava sinos
os sinos secavam as flores
as flores eram cabeças de santos.
Minha memória cheia de palavras
meus pensamentos procurando fantasmas
meus pesadelos atrasados de muitas noites.
(João Cabral de Melo Neto, “Noturno”, em Pedra do sono.)
(B) Meu pai montava a cavalo, ia para o campo.
Minha mãe ficava sentada cosendo.
Meu irmão pequeno dormia.
Eu sozinho menino entre mangueiras
lia a história de Robinson Crusoé.
Comprida história que não acaba mais.
(Carlos Drummond de Andrade, “Infância”, em Alguma poesia.)
(C) Quando o enterro passou
Os homens que se achavam no café
Tiraram o chapéu maquinalmente
Saudavam o morto distraídos
Estavam todos voltados para a vida
Absortos na vida
Confiantes na vida.
(Manuel Bandeira, “Momento num café”, em Estrela da manhã.)
(D) Trabalhas sem alegria para um mundo caduco,
onde as formas e as ações não encerram nenhum
[exemplo.
Praticas laboriosamente os gestos universais,
sentes calor e frio, falta de dinheiro, fome e desejo
[sexual.
(Carlos Drummond de Andrade, “Elegia 1938”,
em Sentimento do mundo.)
(E) – Bem me diziam que a terra
se faz mais branda e macia
quanto mais do litoral
a viagem se aproxima.
Agora afinal cheguei
nessa terra que diziam.
Como ela é uma terra doce
para os pés e para a vista.
(João Cabral de Melo Neto, “O retirante chega à Zona da Mata”,
em Morte e vida severina.)

Questão 20 - Duas fortes motivações converteram-se em molas de composição desta obra: por um lado, o desejo de contar e cantar episódios em torno de uma figura lendária que trazia em si os atributos do herói, entendido no senso mais lato possível de um ser entre humano e mítico, que desempenha certos papéis, vai em busca de um bem essencial, arrosta perigos, sofre mudanças extraordinárias, enfim vence ou malogra...; por outro lado, o desejo não menos imperioso de pensar o povo brasileiro, nossa gente, percorrendo as trilhas cruzadas ou superpostas da sua existência selvagem, colonial e moderna, à procura de uma identidade que, de tão plural que é, beira a surpresa e a indeterminação. (Alfredo Bosi. Céu, inferno, 2003. Adaptado.)
Tal comentário aplica-se à obra

(A) Memórias de um sargento de milícias, de Manuel Antônio de Almeida.
(B) Vidas secas, de Graciliano Ramos.
(C) Macunaíma, de Mário de Andrade.
(D) Os sertões, de Euclides da Cunha.
(E) Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis.


www.veredasdalingua.blogspot.com.br


Leia também:

UNESP 2010 – Meio do ano – 1º Fase – Prova de Língua Portuguesa